INOVADORA DESCOBERTA PODE LEVAR A NOVOS TRATAMENTOS PARA A DIABETES

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

Por que uma proteína de matar bactérias estaria presente numa área do corpo que normalmente não está exposta a bactérias, como o pâncreas?

Pesquisadores do Hospital de Ottawa e da Universidade de Ottawa ficaram intrigados com esta pergunta por algum tempo, até que finalmente descobriram que a proteína em questão estava fazendo algo totalmente inesperado – ela estava realmente ajudando o pâncreas a regenerar e produzir insulina. Esta descoberta revolucionária, recentemente publicada na revista Diabetes, pode levar a novos tratamentos para esta doença devastadora.

Mais de 400 milhões de pessoas em todo o mundo têm diabetes, que ocorre quando o corpo não pode controlar adequadamente o nível de açúcar no sangue. Normalmente, a insulina produzida pelo pâncreas controla os níveis de açúcar no sangue, mas as pessoas com diabetes ou não conseguem produzir insulina suficiente ou não conseguem responder adequadamente a ele. Mesmo que os pacientes tomem injeções de insulina, eles ainda enfrentam muitos desafios de saúde, incluindo danos a órgãos.

O Dr. Fraser Scott e sua equipe estudaram o diabetes tipo 1, que ocorre quando o sistema imunológico – que supostamente protege o corpo contra os invasores microbianos perigosos – acaba atacando por engano e destruindo as células produtoras de insulina no pâncreas. Ninguém sabe exatamente o que causa isso, mas acredita-se que a genética, a dieta, bactérias e vírus podem desempenhar algum papel.

Pesquisa anterior do Dr. Scott sugeriu que uma proteína de matar bactérias chamada cathelicidin peptídeo antimicrobiano (CAMP) pode também desempenhar um papel na diabetes tipo 1, mas não está claro de que forma.

“Nós estávamos procurando esta proteína que mata bactérias em várias partes do corpo, e como esperado, encontramos níveis elevados nos tecidos do intestino que são expostos a bactérias”, explicou Dr. Scott, um cientista sênior do Hospital de Ottawa e professor na Universidade de Ottawa. “No entanto, também a encontramos no pâncreas, o que foi um choque completo porque o pâncreas não é normalmente um local exposto a bactérias.”

Dr. Scott e sua equipe fizeram mais experiências para tentar determinar o que CAMP estava fazendo no pâncreas e como poderia estar ligada ao diabetes. Eles descobriram que CAMP é produzido pelas mesmas células pancreáticas que produzem insulina em ratos, camundongos e seres humanos. Eles também trataram células pancreáticas no laboratório com CAMP, e descobriram que elas duplicaram a secreção de insulina. Quando eles injetaram essas CAMP em ratos de laboratório propensos à diabetes, eles também encontraram sinais de aumento da regeneração do pâncreas e uma mudança para o surgimento de mais bactérias benéficas no intestino. Eles também descobriram que a expressão genética do CAMP foi menor nos ratos pré-diabéticos do que em ratos normais, com destacando assim seu potencial para o tratamento da doença.

“Nosso estudo revela um novo e intrigante papel para esta proteína na função e regeneração do pâncreas, com possíveis ligações com as bactérias do intestino associadas ao diabetes”, disse o Dr. Scott. “Nós certamente ainda não temos todas as respostas, mas nossas descobertas levantam a emocionante possibilidade de novos tratamentos para a diabetes de tipo 1 e tipo 2”.

Fonte:

  • Ottawa Hospital Research Institute

Deixe uma resposta